Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008

O Valor da Ingenuidade

 

 

O maior perigo que corre o ingénuo: o de querer ser esperto. Tão ingénuo que cuida, coitado, de que alguma vez no mundo o conhecimento valeu mais do que a ingenuidade de cada um. A ingenuidade é o legítimo segredo de cada qual, é a sua verdadeira idade, é o seu próprio sentimento livre, é a alma do nosso corpo, é a própria luz de toda a nossa resistência moral.
Mas os ingénuos são os primeiros que ignoram a força criadora da ingenuidade, e na ânsia de crescer compram vantagens imediatas ao preço da sua própria ingenuidade.
Raríssimos foram e são os ingénuos que se comprometeram um dia para consigo próprios a não competir neste mundo senão consigo mesmos. A grande maioria dos ingénuos desanima logo de entrada e prefere tricher no jogo de honra, do mérito e do valor. São eles as próprias vítimas de si mesmos, os suicidas dos seus legítimos poetas, os grotescos espanatalhos da sua própria esperteza saloia.

 

Bem haja o povo que encontrou para o seu idioma esta denunciante expressão da pessoa que é vítima de si mesma: a esperteza saloia. A esperteza saloia representa bem a lição que sofre aquele que não confiou afinal em si mesmo, que desconfiou de si próprio, que se permitiu servir de malícia, a qual como toda a espécie de malícia não perdoa exactamente ao próprio que a foi buscar. Em português a malícia diz-se exactamente por estas palavras: esperteza saloia.

Parecendo tão insignificante, a malícia contudo fere a individualidade humana no mais profundo da integridade do próprio que a usa, porque o distrai da dignidade e da atenção que ele se deve a si mesmo, distrai-o do seu próprio caso pessoal, da sua simpatia ou repulsa, da sua bondade ou da sua maldade, legítimas ambas no seu segredo emocional.
Porque na ingenuidade tudo é de ordem emocional. Tudo. O que não acontece com as outras espécies de conhecimento onde tudo é de ordem intelectual. Na ordem intelectual é possível reatar um caminho que se rompeu. Na ordem emocional, uma vez roto o caminho, já nunca mais se encontrará sequer aquela ponta por onde se rompeu.
O conhecimento é exclusivamente de ordem emocional, embora também lhe sirvam todas as pontas da meada intelectual.

 

 

 

 

Almada Negreiros

 


publicado por anitta às 20:45
link do post | comentar | favorito
|

.OBRIGADO PELA VISITA

.MAIS SOBRE MIM


. ver perfil

. seguir perfil

. 21 seguidores

.PESQUISAR

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.POSTS RECENTES

. Não Digas Nada!

. Acreditar

. COISAS DA VIDA

. Mãe

. Chove. Há Silêncio

. Dizem que o tempo...

. Coro das crianças:

. Receita para 2017

. Mensagem Pedido de Natal ...

. Historia Antiga

totalgifs.com plantas-e-flores gif gif 103.gif
CONTADOR DE VISITAS
free web counter
totalgifs.com natal gif gif 07.gif
totalgifs.com estrelas gif gif 46.gif

.TAGS

. todas as tags

.FAVORITOS

. Lenda

. «Poesia em Rede» - o índi...

. SORTE INFERNAL

. Peregrinaçao

. Chaves - Rua das Longras,...

. O "Texas" em Vidago.

. FALA-ME DE AMOR