Segunda-feira, 9 de Novembro de 2015

Fugir do tempo

 

 

O tempo não pára?

Pára sim...
Digo-te que pára com toda a certeza
Num instante morto, golpe impiedoso.
É pára. Pára e transporta-te a um passado
Onde tudo te é válido, nada te é doloroso
Frágil transponível, és um livre não amado...

Situas-te nesse palco e decides o que queres.
Representar? Sim... Aproveitar tudo.
Todos os segundos que se perdem despercebidos
Incontáveis para os outros, agora talvez...
Tempo, leva-me de volta para lá mas não me acordes,
Ou mata-me já e acorda-me de vez...

Queres brincar com o tempo? Poucos conseguem escapar... Serás tu um dos génios?

 

 

http://giraminhavolta.blogspot.pt/


publicado por anitta às 14:24
link do post | comentar | favorito
|

.OBRIGADO PELA VISITA

.MAIS SOBRE MIM


. ver perfil

. seguir perfil

. 21 seguidores

.PESQUISAR

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12

14
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.POSTS RECENTES

. PENSAMENTOS

. Mãe: palavra pequena, ma...

. Frases

. O MAR E A ROCHA

. LEMBRANÇAS

. Números

. Tanta Saudade

. MINHA VIDA

. O PASSEIO DO PAI NATAL

. O Natal está a chegar.

CONTADOR DE VISITAS
free web counter

.TAGS

. todas as tags

.FAVORITOS

. Lenda

. «Poesia em Rede» - o índi...

. SORTE INFERNAL

. Peregrinaçao

. Chaves - Rua das Longras,...

. O "Texas" em Vidago.

. FALA-ME DE AMOR