Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ANITTA BARROCO

"AQUAE FLAVIAE"

"AQUAE FLAVIAE"

Prevenção do câncer mamário, o inimigo do peito


Os seios têm encanto e poesia,
Têm beleza, elegância e sedução,
Dos poetas são grata inspiração,
Com seus mistérios densos de magia.

São, do corpo, ornamentos fascinantes,
Áreas sensíveis de erotização.
São alvos de desejo e de atração,
Dos corações ardentes dos amantes.

São tépidos regaços de crianças,
Dos bebês, aconchego acolhedor;
São ninho de ternura e de amor,
Oásis aprazíveis de bonanças.

Em sua singular fisiologia
São conformados para a nutrição,
Gerando leite pra amamentação,
Natural, essencial e sadia.

Reunindo, em si, tantos valores,
Relevantes funções e utilidades,
Os seios podem ter enfermidades
Que causam frustrações e dissabores.

Câncer mamário é mal insidioso,
Pois evolui silenciosamente,
Sem causar à incauta paciente
Distúrbio ou incômodo doloroso.

Resulta de uma multiplicação,
Desordenada, em nível celular.
Dos seios, a estrutura glandular,
Poderá sofrer degeneração.

Nódulos que se formam em seus tecidos
Nem sempre são visíveis ou palpáveis.
E, não raro, só são detectáveis
Por exames de imagem requeridos.

Muito importante é fazer auto-exames,
Das mamas, como hábitos rotineiros,
Para palpar nódulos sorrateiros
Que podem ser malignos, infames.

Deixar-se examinar em consultório
Por especialista competente,
É conduta correta e pertinente,
Em alguns casos, ato obrigatório.

Mamografias (radiografias)
São indicadas ou recomendadas
Conforme anomalias encontradas,
Idade ou história de neoplasias.

Mamografias ditas digitais
Ultra-sonografia, ressonância,
Podem ser da mais alta relevância
Diante de dúvidas cruciais.

A cura é alcançada em muitos casos
Diagnosticados com precocidade.
O câncer só leva à mortalidade
Quando existem descuidos ou descasos.

Cirurgias sempre são indicadas
Como procedimento ideal.
Precoces, levam à cura radical,
Deixando as mamas pouco mutiladas.

O câncer é inimigo figadal
Que suscita temor e preconceito.
É o maior inimigo de seu peito,
Implacável, traiçoeiro, letal.

Converta o medo de ter a doença
Em coragem para se examinar.
Jamais dê chance ao cruel azar,
Que em nós se abate sem pedir licença.

 

 

 

http://www.jornaldepoesia.jor.br/sebastiaoayres.html#mama

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D