Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ANITTA BARROCO

"AQUAE FLAVIAE"

"AQUAE FLAVIAE"

Chove. Há Silêncio

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"

Tudo quanto Sonhei se Foi Perdido

 

O que sonhei e antes de vivido 
Era perfeito e lúcido e divino, 
Tudo quanto sonhei se foi perdido 
Nas ondas caprichosas do destino. 

Que os fados em mim mesmo depuseram 
Razões de ser e de não ser, contrárias, 
Nas emoções que, dentro em mim, cresceram 
Tumultuosas, carinhosas, várias. 

Naqueles seres que fui dentro de um ser, 
Que viveram de mais para eu viver 
A minha vida luminosa e calma, 

Se desdobraram gestos de menino 
E rudes arremedos de assassino. 
Foram almas de mais numa só alma. 

Francisco Bugalho, in "Dispersos e Inéditos"

A PARAGEM DO TEMPO

 

Ficámos na paragem do tempo o tempo suficiente para ele passar por nós.

Nesse momento infinito, em que o olhar dançava entre as urzes e o mar, a brisa quente de junho namorou o poema.

 

 

 

Onde ficava o mundo?

Só pinhais, matos, charnecas e milho

para a fome dos olhos.

Para lá da serra, o azul de outra serra e outra serra ainda.

E o mar? E a cidade? E os rios?

Caminhos de pedra, sulcados, curtos e estreitos,

onde chiam carros de bois e há poças de chuva.

Onde ficava o mundo?

Nem a alma sabia julgar.

Mas vieram engenheiros e máquinas estranhas.

Em cada dia o povo abraçava um outro povo.

E hoje a terra é livre e fácil como o céu das aves:

a estrada branca e menina é uma serpente ondulada

e dela nasce a sede da fuga como as águas dum rio.”

 

 

Fernando Namora, in ‘Terra’



hoje eu sinto a parada no tempo!.

Pensamento solitário

 

 

 

Vejam a sociedade amontoada
em esquinas sujas e perigosas
São crianças sem espaço
São jovens sem idéias

E os adultos? Estão sempre sem tempo
Escória! Desilusão! Medo!
Crianças reprimidas, jovens alienados
Gente sem nada para pensar

É o mal...
São flores da falta de futuro
E frutos nascem como pobreza
Como tristeza

É na Terra e no Universo
Planeta solitário 
Assim como os habitantes
Cada um em seu viver...

É um mundo realmente triste...
Apatia... chega de miséria
Por favor, dê- me a mão
E converse um pouco comigo... um pouco!

 

Luiz Guilherme

VIVER BEM

Viver bem é não complicar muito a vida

Viver bem é enxergar o lado bom de uma dor

Viver bem é acreditar que pra tudo tem saída

Viver bem é apreciar um simples, mas puro amor.

 

Viver bem é não se preocupar em ter riqueza material

Viver bem é acreditar sempre na felicidade

Viver bem é manter pra sempre o espírito jovial

Viver bem é praticar uma bondade

 

Viver bem é ter amigos pra fazerem laço

Viver bem é aceitar qualquer batalha

Viver bem é conseguir lidar com o fracasso

Viver bem é saber que a justiça tarda mais não falha

 

Viver bem é manter as chamas dos sonhos acesos

Viver bem é não sofrer pelo que não se pode mudar

Viver bem é nunca manter no seu coração, impureza

Viver bem é jamais desistir de lutar.

 

Viva bem.

 

 

Autor :             

Tiago Meneses

Impetuoso

 

GifsAnimados107[1].gif (552×414)

 

 

 Impetuoso, o teu corpo é como um rio

onde o meu se perde.
Se escuto, só oiço o teu rumor.
De mim, nem o sinal mais breve.

Imagem dos gestos que tracei,
irrompe puro e completo.
Por isso, rio foi o nome que lhe dei.
E nele o céu fica mais perto.

 

 

 

Eugénio de Andrade

 

Descem as águas calmas

 

 

 

 

 

Descem as águas calmas da nascente
Fluem
rodopiantes nas pedras moldadas pelo tempo
Ecos suaves crescem e expandem o sol
Na
Mais bela cor que é a tua

Tem asas o teu espírito na imensidão
Onde borbulham orvalhos
Películas coloridas matinais
Nos sonhos despertos em ti

Cantas melodias, expandem-se universos
Falas do amor, da Humanidade
As palavras soltam na ponta dos teus dedos
O gosto a mel num olhar verdejado

O coração nobre, num olhar espelhado
Correm flores, saltam pássaros
Esvoaçam
borboletas
Num sorriso
único desenhado
 
Dan Gibson
http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=118005
 

Segue o teu destino

Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.

Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.

 

 

 

       Ricardo Reis

Olhando o mar, sonho sem ter de quê

Olhando o mar, sonho sem ter de quê.
Nada no mar, salvo o ser mar, se vê.
Mas de se nada ver quanto a alma sonha!
De que me servem a verdade e a fé?

Ver claro! Quantos, que fatais erramos,
Em ruas ou em estradas ou sob ramos,
Temos esta certeza e sempre e em tudo
Sonhamos e sonhamos e sonhamos.

As árvores longínquas da floresta
Parecem, por longínquas, 'star em festa.
Quanto acontece porque se não vê!
Mas do que há pouco ou não há o mesmo resta.

Se tive amores? Já não sei se os tive.
Quem ontem fui já hoje em mim não vive.
Bebe, que tudo é líquido e embriaga,
E a vida morre enquanto o ser revive.

Colhes rosas? Que colhes, se hão-de ser
Motivos coloridos de morrer?
Mas colhe rosas. Porque não colhê-las
Se te agrada e tudo é deixar de o haver?

 

 

 


                 Fernando Pessoa

 

Tenho pena e não respondo

Tenho pena e não respondo.
Mas não tenho culpa enfim
De que em mim não correspondo
Ao outro que amaste em mim.

Cada um é muita gente.
Para mim sou quem me penso,
Para outros --- cada um sente
O que julga, e é um erro imenso.

Ah, deixem-me sossegar.
Não me sonhem nem me outrem.
Se eu não me quero encontrar,
Quererei que outros me encontrem?

 

 

 Fernando Pessoa

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

VISITAS

contador grátis

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D